VULTO ENCANTO
         Cleide Canton
 
    
Beijando o rosto amado, ternamente,
como se fosse aquela a vez primeira,
soube, então, que seria a derradeira
pela voz que, calando, assim consente.
 
Pensou, talvez, que o beijo a comovesse
que o elo por si só fosse o bastante...
Mas viu-a decidida e mui distante,
fugindo dos grilhões sem que a prendesse.
 
Vê-a, linda, afastar-se de seus braços,
bem altiva e segura nos seus passos,
no rumo que a levava a outro amor.
 
No peito, uma agonia ensaia o pranto,
ao sentir na distância o vulto-encanto
fugir-lhe sob um céu sem luz e cor.
 
 
SP, 05/08/2006
14:00horas
 
 
 FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA
 
 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 12/09/2006

  online