Viver é sonhar 
Cleide Canton


Brilha no amanhecer
a expectativa de ser:
Eu sou
e tu és.

Eu sou o pirilampo
cujo piscar enxergas vez em quando.
Tu és o sabiá
que encanta com teu canto.



Eu sou a lua
que desaparece no nevoeiro.
Tu és o sol
cujo calor permanece o dia inteiro.

Eu sou a brisa
que deixa no rosto a suavidade.
Tu és o vento 
a tropeçar na própria tempestuosidade.



Eu sou a água
insípida, mas que mata tua sede.
Tu és o vinho
que inebria e prende na tua rede.

Eu sou o silêncio
que te induz a repensar.
Tu és a melodia
que faz sorrir e faz chorar.




Eu sou a prática
muito fácil de se acompanhar.
Tu és a teoria
que complica antes de ensinar.

Eu sou a meta
que se atinge na constância.
Tu és o plano
que se prende à circunstância.




Eu sou a ciência
baseada em princípios comprovados.
Tu és a arte
que não se rende a contornos delineados.

Eu sou o peixe
que se deixa enganar.
Tu és o anzol
que não escolhe o que fisgar.




Eu sou a terra
que sempre encontras no mesmo patamar.
Tu és o mar
cujas ondas estouram em qualquer lugar.

Eu sou a vida.
Tu és o sonho.
Viver é sonhar.



SP, 26/06/2004
12:15 horas

Proibida a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 07/07/2004.

 

  online