Vida di cabocro
Cleide Canton Garcia


Debaxo dum sor ardente
O cabocro sem temô
Joga na terra as semente
Banhada no seu suô

Deixa a terra bem fofinha
Pras pranta podê crescê
I quando chega a tardinha
Pede a Deus pra chuvê.



Cum fomi, suju i cansadu
Anda inté o anoitecê
Só pra incontrá cua Maria
E os fiinho podê vê.

Mai quando chega ao casebre
Já cuas vela a iluminá
Fica mai triste o coitado
Fejão num pode comprá.



O coro da fiarada
Feliz di vê ele chegá
Faiz o cabocro sorri
Faiz a tristeza pará.

Entonce o bejo da muié
E tudu aquele amô
Faiz o peste si isquecê
Da vida cheinha de dô.



Nu fugão o cardo esquentadu
Dus restu do outro dia
Inté qui dá chero bão
Nas mão da sua Maria.

Nus pratu já discascadu
Tudu mundu vai comê
Mai num si isqueci o coitadu
Au Sinhô di agradecê.



Já tarde si deita na rede
Arremendada di dá pena
Mai nus braçu da Maria
Tem uma noiti serena.

A história dessi homi
Muitu tem pra insiná
O pocu da terra é bão
Mais é precisu prantá.


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 02/09/2003.

 

 

  online