Us patu du vizinhu
Cleide Canton Garcia


É bem cedu, manhãzinha
Já varri tuda a cozinha
Puis a água prô café.
Abri tuda a janela
I u sór qui entra pur ela
inté mi faiz cafuné.



U meu vistidu mai novu
Passei onti à tardinha
Prá podê hoji botá.
U padri lá na capela
Inté já acendeu as vela
Prá missa podê rezá.



Meus véio tem muita idadi
I tamém dificurdadi
Num podi andá inté lá.
Apanho as frozinha mimosa
Amarela e cor di rosa
Pô artá podê infeitá.



Im casa deixu prontinho
Us pratu arrumadinho
A cumida nu fogão.
Pegu o meu chapéu di páia
Vistu u aventar de cambráia
Ponhu na mesa u pão.



Já tô ficanu atrasada
Num possu fazê parada
Nem memu prá discansá
E pa mor dus meu pecadu
Us patu qui véve au ladu
Num qué di mim disgrudá.



Mai num ficu cum reiva não
Si não num vô tê perdão
Prá podê mi cumungá.
Mais us patos esses danadu
Si num ficá acomodadu
Vão servi pru meu jantá.


SP, 06/10/2003
22:39 horas


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 06/10/2003.

  online