PRISIONEIRA
Cleide Canton
 
 
 
Bendita és, alma livre e redentora,
a vagar com os ventos (noites frias),
a tocar as estrelas que não vias
nos verões em que foste sonhadora.
 
Bendita és no brincar dos horizontes,
muito além desse arco-íris procurado,
tão crente, tão distante do  pecado,
tão perto da pureza de outras fontes.
 
Bendita és, nos acertos, nos achados,
nas cores dos diamantes lapidados
que trazes nos teus olhos tão risonhos.
 
Bendita és, no confronto matutino,
senhora do poder e do destino,
ainda presa na cela dos teus sonhos.
 
SP, 21/05/2009
16:50 horas
 
 
 

 

 
 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

 

 

 

 

Página editada por Cleide Canton em 19 de outubro de 2013

  online