NÃO VIU, SENTIU
Cleide Canton
 
 
 
Não viu
o riso do mal.
Sentiu
o golpe da foice.
 
Não viu
a fúria do vento.
Sentiu
o desvio da rota.
 
Não viu
o início da chama.
Sentiu
a dor da queimada.
 
Não viu
o vaso partido.
Sentiu
a mágoa contida.
 
Não viu
o teto ruindo.
Sentiu
o baque da queda.
 
Não viu
o sol...
Sentiu
a lua.
 
E a razão explodiu
na lágrima vertida.
 
SP, 08/07/2009
10:00 horas
 
 
FORMATAÇÃO SIMONE CZERESNIA

 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 10 de julho de 2009

  online