MAIS UMA VEZ
Cleide Canton
 
 
Mais uma vez, quiçá a derradeira,
a pequena borboleta da paz
sobrevoa o  céu
que acoberta meu espaço
e pousa nas minhas mãos,
sem temor.
É aquela onda de amor
que me invade
quando o mundo todo parece desmoronar
e algo me faz voar
como se nada mais existisse,
a não ser a beleza
de me sentir bem comigo mesma.
Raros momentos
que faria perene
se tivesse esse poder,
curtos demais no tempo terreno,
grandiosos demais
onde esse tempo não conta.
E me encontro assim,
abraçada à tranqüilidade dos justos,
amparada pelos braços
do amor que me redimiu.
Nada peço
e tudo me é concedido.
Nada digo
 e tudo é entendido.
Não mais o sonho,
apenas o desfrutar da vida.
Vejo tudo como realmente é
e aquarelo as minhas visões
como as sinto.
O toque das flautas mágicas
acompanha os passos
da dança que não ensaiei
num palco sem platéia.
E este meu eu
livre, leve e solto,
encontra o mundo sonhado
aqui mesmo, tão palpável!
Então me olhas
como realmente sou
e eu te levo
para onde vou.
 
 
SP, 16/07/2008
11:00 horas
 
 

FORMATAÇÃO SIMONE CZERESNIA

 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 08 de outubro de 2008

  online