Mágua di violero
Cleide Canton Garcia


Lá bem longe das cidade
bem dispois di muito andá,
si chega na casinha
a única daquele lugá,
bem nu arto da montanha
onde tudu dá pra inxergá.
Tem frô pra tudu us lado
mai o friu é di rachá.
Lá veve Tião sozinhu
incantandu us animar.



Tião é bão violero.
Cunheci tantas história
qui num sei cumu conségui
guardá tudu di memória.
Mai tem uma muito boa
qui toca us coração,
basta a noitinha chegá
ele canta essa canção
qui ecoa pelus vale
i mi enchi di emoção.



“Há muitus anu atrais,
cando na cidade eu vivia,
cunheci minha Rosinha
num intardecê di dia.
Frô muié tão cherosa,
cum seu vistidu rodadu,
si achegô tuda dengosa
i si sentô du meu ladu.
Naquela mesma hora
fiquei dela apaixonadu.



Pocu tempu si passô
pá mor di nóis si casá.
Entonce fiz esta casinha
ondi viemu mora
i minha doci Rosinha
tudu feiz prá mi ajudá.
Us dia fôru passano,
as frô começaro a brotá
i nóis era muito feliz,
ninguém pudia negá.



Mai Rosinha adueceu
quandu o inverno chego.
Fiquei cum medo danadu
inté qui veiu u dotô
i pra mor dus meu pecadu
Rosinha deli gosto.
Já num tinha mais aligria
di vivê nesti lugá.
Eu fiz tudu u qui pudia
mai nada pudi mudá.



O amô dela era tão grande
qui foi definhano di pocu.
Tava a coitada morreno
i eu aqui quase loco,
inté qui numa manhã
nus meu braçu ela morreu
i tudas as beleza qui eu via
meu coração si isqueceu.
Inté hoji choru as mágua
qui nu meu peitu cresceu.



Lá atrais da nossa casinha,
num cantero cheiu di frô,
discansa minha Rosinha
qui morreu di tantu amô.
Tuda as noite ficu acordado
isperanu a Rosinha vortá
i ela vem toda linda
mai num é pra mi agradá.
Inda procura o dotô
pru seu coração intregá”.


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 23/09/2003.

  online