LEVA-ME AO TEU MAR
Cleide Canton

 

Leva-me, amor, a este mar
de ondas mornas e discretas,
onde os sentimentos se mesclam
e oscilam entre o mais tranqüilo suspiro
e o mais tresloucado gemido.
Leva-me para além
do que eu possa ver e tocar,
onde a razão me faça vencida,
e a alma, desfalecida,
conheça a bênção dos ventos,
o cheiro das tempestades
e a fúria dos vendavais.
Leva-me
ao delta do insondável,
à confluência dos inverossímeis,
aos jardins negros de Netuno,
aos confins do intangível,
para que eu me guie
pela luz da certeza do impossível
e me faça tua cúmplice
neste destino mais que meritório,
no vale das mais sublimes ousadias,
onde o limite das minhas resistências
seja devorado
pela força das tuas convicções.
Leva-me, amor,
pouco antes que a noite desça
e as estrelas se tornem rivais
neste meu momento de torpor.
Leva-me, amor!
 
SP,30/06/2006
00:50 minutos

 

FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA

Quer enviar para alguém?
Clique no Recomende

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut

Página editada por Cleide Canton em 14 de julho de 2006 

online