Lamento caboclo
Cleide Canton Garcia


Meu sinhô, tô cansado!
Inté pareci qui na vida
Tudo qui fiz foi errado.
Num possu dizê pru Sinhô
Qui u mundu num tem valô.
Seria mar agradecidu
Dispois ficu arrependidu.



Mais iscuta u que vô lhe dizê:
Tenhu meu pedacinho du chão
Qui cuidu cum muito carinhu
I sustenta u meu pão.
Mais óia,
Tu mi dá um sor ardente
Qui é prás pranta brotá.
Intonce eu pegu as sementi
E prantu tudo contenti
Isperandu elas vingá.



Us dia custa a passá
Mais chuva prelas moiá
Eu num veju, num Sinhô!
Só si fô du meu suô.
Dai pegu u meu latão
Vô inté o riberão
Mai di deiz veiz pur dia.
Móiu a terra direitinho
Façu tudu sozinho
I ficu isperandu a hora
Qui as foinha afrora.



Ais veiz inté acontece
I a prantinha frorece.
Ficu tudu sastifeitu
E cuá ligria nu peitu
Inté cunsigo cantá.
Bão, aí pricisu isperá
As bendita ficá boa
Prá pudê mi alimentá.



Mai num sei u qui acontece
Di repente aparece
Um baita temporar.
As foinha num agüenta
A força da água benta
Qui u Sinhô mando pra cá.
Daí tentu consertá.
U qui ainda dá jeitu.
Noiti i dia, chuva i sor
Aqui ficu a isperá
As foinha di novu brotá.



Uma beleza, Sinhô
Vê o verdi armentá.
Quase bom pra si cumê,
Isperu us dia amanhecê
Pras pranta podê oiá.
Um belu dia, ô mar tarveiz,
Veja u qui o Sinhô feiz:
Manda uns bichinhu verde
Tudo im bandu esfomiado
Que num si faiz di rogadu
Minhas pranta vem devorá.



Num sobra nada, nadinha
Pra eu podê mi alimentá.
Vorto prôs ovo das minha galinha
Qui já di tão veia, veinha
Um dia vô tê qui matá.
Sinhô! Arguma coisa tá errada!
Prá mim num sobra nada
U qui é qui eu vou fazê?
Minha fé tá abalada
Minha fomi armentada
Num mi dexa assim morrê.


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 23/09/2003.

  online