HOJE AMANHECI ASSIM
Cleide Canton



Talvez quisesse que o meu agora 
fosse página virada...
Escondida, amassada,
corroída talvez,
para não destoar das demais.
Tantos risos,
tantas euforias,
tantos abraços,
e apertos de mão...
E tantos ais na escuridão!
Se eu fosse dada ao hábito
de escrever um diário
por certo, hoje,
eu começaria assim:

Estou perdida no meu jogo de xadrez...
Sou todas as peças de uma só vez.
Talvez mova a torre.
Afinal, de que ela me serve?
Eu mesma a ergui e não foi tão fácil.
Mas devo tê-la deixado alta demais
na intenção de ficar perto dos sonhos.
Acho que a dura realidade antevi
e me precavi.
Lá do alto eu, Rainha,
procuro meu Rei,
tão no emaranhado quanto eu.
Preciso alar o meu Cavalo...
Se continuar assim, tão indeciso,
perdê-lo também será preciso.
Meu Bispo virou-me as costas.
Cerrou-se numa mudez irretratável.
Cansou-se de mim.
Pudera! Faço-me surda
aos seus apelos,
aos seus sábios conselhos...
Restam-me os peões
que me acenam dizendo: Vai...
Inerte, presa a decisões
só minhas,
hoje não tenho vontade própria...
Meus pés não encontram chão
e meus braços não se movem
para o dar ou receber.
Juro por Deus,
não sou assim!
Hoje nem mesmo eu
quero estar perto de mim.

 

 



 

 

 Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Web designer Ana Amélia Donádio/Romantic Home
Página editada em 20/10/2004

  online