FICA UM POUQUINHO MAIS
Cleide Canton

 

Fica, amor,
um pouquinho mais...
Permita-me saborear
este tempo de ternura e paz,
este afeto diferente dos demais.
Deixa trancada a nossa porta
para que nada interrompa
este momento único,
esta sensação do eterno,
esta visão do sempre.
 
Para que sentir o vento,
no seu lamento,
se nada é maior
do que este nosso sentimento?
Para que olhar a lua
a encantar enamorados,
se no aconchego destes abraços
já estamos sufocados?
Para que buscar estrelas
se elas navegam em nosso olhar?
Para que tocar o portal do infinito
se entre nós
há muito superamos esse mito?
 
Por que pensar nos sonhos,
se neste contato
a vida grita e agita,
o sangue corre ligeiro,
a febre tece seus contornos
e o desejo se veste de ousadias?
Fica um pouquinho, amor!
Tudo o mais se distancia
da verdade e da beleza
na poeira das incertezas
do que nos espera lá fora.
 
Nosso mundo é este,
aqui e agora.
 
SP, 01/08/2006
22:45 horas
 
 
 FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA
 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Página editada por Cleide Canton em 08/09/2006

  online