FESTA NO OUTONO
Cleide Canton
 

 

Olhou as folhas amareladas,
esparramadas pelo chão,
sentindo uma saudade imensa
dos verdes e rosados da primavera.
Mas, pela primeira vez, percebeu
que havia beleza nas cores mortas,
nos arbustos desfolhados,
no vento seco
que esparramava seus cabelos
e lhe podava a visão.
Sentiu o cheiro da tarde
e o gosto salgado de uma lágrima teimosa,
talvez o último vestígio
que a ligava às lembranças
que de muito tentava apagar. 
De onde viria 
aquela quase paz que começava sentir,
aquela quase vontade de correr
e abraçar o mundo,
aquela quase doçura
que cismava em fazer morada
no  olhar assustado,
tentando decifrar os sentimentos
que afloravam, vestidos de amor?
Queria mesmo desfrutar 
aquele momento como se fosse o último,
entender o que acontecia
e qual seria a causa
da brusca transformação.
Um tanto perdida,
resolveu que se faria linda,
que se vestiria de festa
para a festa que ela mesma ofereceria
a si mesma.
Olhou mais uma vez para as folhas secas,
antes de dar adeus
à saudade das lembranças
e sorrir para tudo que lhe fora negado.
Afinal,
descobrira o outono
e faria tudo para ser feliz,
mesmo quando ele se despedisse.
   
 
SP, 28/02/2008
20:50 horas
 


 

 
   FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA
 
 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Página editada por Cleide Canton em 03 de março de 2008

online