DESENCONTROS
Cleide Canton
 
 
Muito mais do que forma no que vejo,
muito mais que aquarelas coloridas,
são palavras que dançam, nas perdidas,
detalhes que revelam teu desejo.
 
Muito mais do que queres eu entendo,
muito além do que escondes nos teus gritos,
os lamentos que encobrem teus delitos
em  mistérios se calam. Eu desvendo.
 
Se não ouves os ventos que te chamam,
se não sentes a brisa que conforta
e só queres  feridas malfadadas,
 
estarás muito longe dos que o amam,
solitário tal ave quase morta, 
esquecido nas lamas das calçadas.
 
SP, 07/05/2009
00:30 horas
 
 
 

FORMATAÇÃO SIMONE CZERESNIA

 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 30 de agosto de 2013

  online