CIRANDA EM PASSARELA

Cleide Canton

 

 

Neste canto de ciranda

roda a vida a desfilar.

Passam ventos na varanda,

passam rimas devagar.

 

Passam sons de passarinho,

murmúrios da beira-mar.

Passa a fonte em burburinho,

passa a vela a tremular.

 

A ciranda gira a roda,

a rosa vai desfolhar.

A tristeza se acomoda,

o riso vai disparar.

 

Passam nuvens lá no alto,

levam sonhos para o além.

Enquanto dorme o asfalto

eu me vou e você vem.

 

Passa o boi passa a boiada

num caminho de ninguém.

Passa a lama escancarada

num grito que não convém.

 

Passa o cego, passa o mudo

e o surdo que é mais feliz.

Também passa o abelhudo

que da vida é aprendiz.

 

Desfilam palavras tolas,

roucas, ocas, poucas, mil...

Passam seringas e ampolas

nos escuros de um covil.

 

Mas passa a fé e a esperança,

passa o amor e a lealdade.

Passa o riso de criança

num lampejo de bondade.

 

Passa a rosa desfolhada

sorrindo neste jardim.

Em lágrimas traz o verde

descolorindo o carmim.

 

Eu passo também cantando

fazendo o que sempre faço.

Na pena o verbo chorando,

no peito a flor de um abraço.

 

SP, 31/07/2005

16:30 horas

 

 

Midi: Roda Viva - Chico Buarque

Arte: Cleide Canton

 

 

Use mas não abuse.

Respeite os

DIREITOS AUTORAIS.

 
 

 

 

 Copie o código para colar no scrap do Orkut
  

 

 

Página editada por Cleide Canton em 04/09/2005

 

  online