CALA, CORAÇÃO
Cleide Canton
 
 
 
Cala, coração! Emudece de vez,
recolhido no teu solitário canto
sem descobrir o que fez ou não fez
enjaulado nas redomas do teu pranto.
 
Cala, coração! Escuta a velha voz
que te conclama, urgentemente, à razão,
buscando desatar a fúria dos nós
do entrave funesto dessa amarração.
 
Cala, coração! A hora é mais que certa
para abrir-se ao som da suave melodia
que a expressão do teu real amor liberta
para ondas mansas da tua poesia.
 
Cala, coração! Deixa logo correr
esse rubro líquido da fantasia
no sonho que tornará a acontecer
no amanhecer sagrado de um novo dia.
 
Cala, coração! Enterra o luto e a dor
da derrota passiva, crua e severa
abrindo-te, livre, para o som do amor
que canta alto, ofuscante, a tua espera.
 
E grita, coração, grita a alegria
do romper do embrião da aurora dourada
que te espera, ofuscante, dia após dia,
no vale azul em festa da tua estrada.
 
Vibra, coração! Vibra e não mais espere
o adormecer eterno do teu poente,
onde a lança mortal na angústia te fere,
levando a futuro incerto o teu presente.
 
SP,29/06/2006
11:00 horas
 

 

FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA

Quer enviar para alguém?
Clique no Recomende

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut

Página editada por Cleide Canton em 14 de julho de 2006 

online