ASSIM, ASSIM...
Cleide Canton



Despeço-me deste canto, assim,
com um adeus de quem perdeu
a parte do encanto de mim...
Assim, como quem se escondeu
para não ter que ensaiar um fim.


Despeço-me assim, descrente,
meio anseio, meio tormento,
sem qualquer dor aparente,
sem tese, sem argumento...
Simplesmente indiferente.


Despeço-me de ti neste agora
em que a vontade é gritante
mas o peito apenas chora...
O sorriso é sempre farsante
e o olhar, de repente, implora.

 

Arte Final Cleide Canton

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

 

 

Página editada por Cleide Canton em 26 de agosto de 2013

  online