Minha Aquarela
Cleide Canton
 
 
O pedaço virgem de papel
ou uma tela
só não é mais "qualquer"
porque já defini minha aquarela.
Tem nome
e certo é o destino.
Eu mesma assino,
embora estejam ausentes
os retoques finais.
História nada comum
para os velhos Anais.
Tingi meu céu de azul
mas alguém o retocou de lilás.
Cobri minhas flores
de todas as cores
mas era tanta a ânsia por beleza
que acabei por ferir
a própria Natureza.
Tentei um acerto
mas atos impensados
não têm conserto.
Acabei por macular
o simples, o singular.
Na euforia do contraste
o brilho me foi amigo.
Tropecei com ele
 e ele chorou comigo.
O tempo, agente interferente,
foi conseqüente:
insinuou o opaco
bem mansamente.
Tela envelhecida
tem mais valor
desde que, com cuidado
se evite o bolor.
Eis a aquarela!
Encontro-me todinha nela.
Penso que esqueci as retas.
Eu as projetei
mas não as vejo.
Perderam-se em perspectivas vãs.
Não era esse o meu desejo.
 
Obra exposta!
Da vida, apenas amostra.
 
 
 
SP, 19/09/2005
19:30 horas
 
Midi:  Aquarela, de Toquinho
Arte: Cleide Canton
 
 
 Use mas não abuse.
Respeite os
DIREITOS AUTORAIS.
 
 
 
 

 

 Copie o código para colar no scrap do Orkut
  

 

 

 

Página editada por Cleide Canton em 20 de setembro de 2005

  online