A MULHER QUE OLHAVA A FONTE

Cleide Canton

 

Baseado nos lindos versos de Naldo Velho:

O homem que observava o horizonte

 

 

 

A mulher que olhava a fonte

trazia, nos olhos, o brilho dourado de  um sonho,

já tão desgastado pelo tempo

que não mais bailava ao som do canto das águas...

Escondia-se nas matas dos desencantos

para aparecer plena sob o luar,

nas clareiras onde ainda pudesse cantar.

 

A mulher que olhava a fonte

não mais chorava, nem se perdia nos descaminhos

porque simplesmente se descobrira,

no seu tempo e no seu espaço,

como criatura e criadora do seu próprio destino.

Abraçava o vazio e o sentia único,

imaginando o quanto ainda ali caberia

e o quanto dali nasceria.

 

A mulher que olhava a fonte

ensinava aos ventos os novos acordes dissonantes

de sua antiga e inacabada melodia

para que levassem, ao mais longe possível,

a beleza que sua própria loucura

teimava em mostrar-se azul.

E escrevia seus versos tolos no ar...

Eterno desejo de sonhar!

 

SP, 06/01/2010

14:30 horas

 
 
 
FORMATAÇÃO SIMONE CZERESNIA

 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 20 de março de 2012

  online