Ai, qui sardade mi dá
Cleide Canton Garcia


Vendo oceis falá ansim
Cum tuda sinceridade
Discubri qui num é bão
Vivê cá na cidade
A genti isqueci os valô
Qui aprêndi na poca idade.



Isqueci o chero das frô
Isqueci das ave o cantá
Inté isqueci as istrela
I u brilhu du luá.
U povu aqui destas terra
Num pára prá si alembrá.



Sardadi mi mata di pocu
Façu as mala vô vortá
Prá bera du meu riachu
Pros matu do meu lugá.
Queru morrê nesses pradu
Orvindo a cigarra cantá.



Mi dispeçu desta vida
Di mardade e poca fé
Mi libertu até du sapatu
Qui tanto aperta meus pé.
Vorto pros vagalume
I prô meu tetu di sapé.



Chega di tanta fumacera
Queru u sor pra mi isquentá
Amassá tuda a barrera
Qui ixisti nu meu lugá
Vô ficá a vida intera
Vivendu a vida a cantá.

Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 02/09/2003.

 

 

  online