ADEUS
Cleide Canton
 
 
Encerro este ato!
Embora ainda ouça, no silêncio,
a tua voz a me chamar,
nada mais me prende.
Cansei de te amar!
Sem festa e sem aplausos
deixo, cabisbaixa,
a cena sem final,
sem chances de retrocesso,
sem mais um dia ou amanhã.
Apenas uma lágrima
se faz companheira,
sem que ninguém veja.
Apenas uma lágrima
derramarei por nós.
Apenas uma...
Não porque mereças,
mas porque deixo contigo
um sonho antigo demais,
adornado de esperança,
pintado de ilusões,
embalado pelo carinho franco
e laços de fidelidade.
Adeus!
Nada nos devemos,
a não ser a gratidão
por tantos momentos ternos,
por tantas vitórias a dois,
por tantos olhares amantes,
sorrateiros, apaixonados,
por tantos abraços prolongados,
por tantos sorrisos soltos
na cumplicidade de prazeres...
Adeus!
Dá-me apenas uma hora
para que eu reveja o nosso ninho
e tranque, no coração,
os meus guardados.
Quando chegares,
a porta estará entreaberta
e nem mais um sinal meu
tu encontrarás,
bem como, dos meus passos,
jamais saberás.
Quando digo adeus,
digo também até nunca mais...
 
SP, 10/09/2006
22:40 horas
 

FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA

 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Página editada por Cleide Canton em 03 de março de 2008

online